Uso de Smartphones entre médicos

Vemos nos dias de hoje a importância que os smartphones têm ganhado em nossas vidas. Por diversos motivos, estes dispositivos têm se tornado cada vez mais essencial. No âmbito de uso mais pessoal, vemos aplicações que nos fazem praticamente grudar em nossos telefones, desde Facebook até o fenômeno mais recente Pokemon Go. Hoje é mais fácil esquecermos nossas carteiras em casa do que nossos celulares.

Bem, no que diz respeito ao uso profissional, vemos estes dispositivos ganhando igual importância. É muito comum, seja qual for a sua profissão, usar seu dispositivo celular para desempenhar tarefas relacionadas ao seu trabalho. No que toca os profissionais de saúde, esse movimento é igualmente verdadeiro.

Uma pesquisa publicada em 2015 no Annals of Medicine & Surgery chamada A UK perspective on smartphone use amongst doctors within the surgical profession (que pode ser acessada em: http://www.annalsjournal.com/article/S2049-0801(15)00016-3/abstract?cc=y=) destaca achados super interessantes sobre como médicos estão usando seus dispositivos Smartphones em seu dia-a-dia profissional.

Em primeiro lugar, é constado na pesquisa descrita no artigo que os médicos usam seus dispositivos celulares para suportar seus trabalhos em função de limitações de tempo e espaço. Isso mostra que o trabalho destes profissionais ganha certa independência do local onde o serviço é prestado e os achados seguintes suportam essa afirmação.

Mais de 90% dos médicos entrevistados possuem Smartphones e não se interessam se os seus locais de trabalho vão disponibilizar um aparelho para eles, ou não, pois eles podem usar seus próprios dispositivos. E o mais interessante, em seus Smartphones, eles possuem aplicações médicas pessoais que suportam seus trabalhos, sendo 85% delas acessadas sobre a Internet.

Este achado de pesquisa é interessante porque mostra que os médicos estão cada vez mais aderindo a sistemas de tecnologia rodando em seus Smarphones e sobre a Internet para a realização de tarefas como: controle de agenda; prontuário médico dos pacientes; informações financeiras sobre o seu trabalho; etc. Novos aplicativos que ajudam os médicos a saberem se seus pacientes estão seguindo os tratamentos prescritos por eles estão aproximando os médicos cada vez mais de seus pacientes.

Estamos vivenciando uma nova era, fortemente influenciada por aplicativos abrangentes como Uber, Facebook, Airbnb, etc. e o artigo termina dizendo que as novas aplicações precisam reconhecer este movimento e demanda dos médicos, assim como os médicos que ainda não aderiram a este movimento, precisam o fazer para estar alinhado com o que os pacientes esperam deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *